A importância das correias certificadas com laudos sanitários

Correias transportadoras com laudos e certificações sanitárias são fundamentais para garantir a contaminação zero na sua linha de produção

Nos últimos anos, a automação das linhas de produção vem oferecendo novas possibilidades, ampliando a produtividade e, consequentemente, alcançando os resultados estabelecidos pelas indústrias.

Para alguns segmentos industriais, novas necessidades foram surgindo ao longo do tempo, especialmente no que diz respeito à observação de normas e diretrizes que regulamentam uma produção em ambiente seguro e livre de contaminação. De longe, a indústria alimentícia é a mais exigida a observar estas exigências sanitárias.

Com o objetivo de acompanhar ou se antecipar às necessidades do setor industrial, os fabricantes de correias transportadoras investem em tecnologia, pesquisa e inovação para criar novos produtos. As correias em poliuretano, ou simplesmente PU, estão nesta categoria de produtos diferenciados, indicadas para aplicações que exigem alta performance. A maioria delas possui características e laudos internacionais que possibilitam a sua aplicação em contato direto com a matéria-prima ou os alimentos in natura.

Em contrapartida, sem as especificações corretas e os devidos cuidados, as correias transportadoras podem sofrer impregnação ou se comportar como um agente de proliferação de microorganismos, participando de forma direta ou indireta na contaminação do produto final.

O que são laudos sanitários?

Laudos são relatórios emitidos após a análise de determinados indicadores, resultando em um diagnóstico. Este documento final valida as condições e fatores que foram analisados naquela situação. Ou seja: o laudo é a tradução das constatações captadas pelo técnico ou especialista, em torno do objeto ou da situação, por meio dos conhecimentos especiais de quem o examinou.

No mundo todo há uma série de órgãos certificadores, com expertise e autoridade para emitir laudos sanitários, atuando nos mais diversos segmentos.

Em relação às correias transportadoras, as principais entidades que emitem estes laudos sanitários são a Food and Drug Administration (FDA), com atuação nos Estados Unidos; a Agência Nacional de Vigilância Sanitária do Brasil (ANVISA), no Brasil; e a International Food Law and Regulations: European Union (EU), na União Europeia.

  • FDA: Food and Drug Administration
    FDA é um órgão do governo dos Estados Unidos, criado em 1862, com a função de controlar os alimentos e medicamentos, através de diversos testes e pesquisas. Os produtos são minuciosamente estudados e testados antes de serem liberados para comercialização.
  • ANVISA: Agência Nacional de Vigilância Sanitária
    Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) é uma agência reguladora, sob a forma de autarquia de regime especial, vinculada ao Ministério da Saúde. A agência exerce o controle sanitário de todos os produtos e serviços (nacionais ou importados) submetidos à vigilância sanitária, tais como medicamentos, alimentos, cosméticos, saneantes, derivados do tabaco, produtos médicos, sangue, hemoderivados e serviços de saúde.

RDC da ANVISA

As RDCs são resoluções da diretoria colegiada da ANVISA, inseridas e relacionadas ao Programa de Melhoria do Processo de Regulamentação da Agência. Cada uma delas dispõe sobre aspectos específicos da regulamentação.

As resoluções mais ligadas ao fornecimento e aplicação das correias transportadoras são:

  • RDC 17 – Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos
    Objetivo: Estabelecer os requisitos mínimos a serem seguidos na fabricação de medicamentos para padronizar a verificação do cumprimento das Boas Práticas de Fabricação de Medicamentos (BPF) de uso humano durante as inspeções sanitárias.
  • RDC 51 – Requisitos para Aprovação de Projetos Físicos de Estabelecimentos de Saúde
    Objetivo: Estabelecer os requisitos para a análise, avaliação e aprovação dos Projetos Físicos de Estabelecimentos de Saúde a serem, avaliados pelo Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS).
  • RDC 52 – Regulamento Técnico de Boas Práticas para os Serviços de Alimentação
    Altera a Resolução RDC nº 216, de 15 de setembro de 2004
  • RDC 56 – Dispõe sobre a Certificação de Boas Práticas para a realização de estudos de Biodisponibilidade / Bioequivalência de medicamentos e dá outras providências
    Objetivo: Estabelece os requisitos e procedimentos administrativos a serem atendidos para a Certificação de Boas Práticas para a realização de estudos de Biodisponibilidade / Bioequivalência de medicamentos e define quais estudos de Biodisponibilidade / Bioequivalência (BD/BE) de medicamentos devem ser realizados em centros de pesquisa certificados.

Todos estes laudos determinam os requisitos mínimos para que uma correia transportadora possa entrar com contato direto com os alimentos ou matéria-prima desembalada ou in natura, assim como estabelecem as normas e diretrizes de sua aplicação e manuseio.

Suas correias duram o tempo esperado?

Correias certificadas VANDERHULST

Na VANDERHULST, todas as correias em PU denominadas UPRO e as correias em PVC com N FDA em seu código atendem às normas do FDA. Este laudo é emitido pelo nosso fornecedor de matéria-prima, estabelecido na Holanda e na China. Nosso fornecedor emite as cartas que certificam que as correias atendem às normas da FDA, assim como testes das correias em PU validadas pelo EU.

A ANVISA possui regulamentos específicos que levam em conta os tipos de produtos, ambiente da indústria e os processos, especialmente quando estão ligados aos segmentos alimentício, farmacêutico e cosmético. Para cada situação específica é necessário realizar um ensaio individual, com o objetivo de verificar se a correia vai atender as especificações das RDCs citadas anteriormente.

Os laudos da ANVISA são solicitados individualmente, conforme necessidade das empresas que utilizam as nossas correias. Realizamos alguns testes em PU branco e azul e PVC branco de em conformidade com a RDC 51, assim como validação específica da correia UPRO 2/13 BM HM para a RDC 51 e RDC 52.

A certificação das correias dentro dos parâmetros da RDC 56 é mais complexa. Para que isso aconteça, o fabricante precisa fornecer os ingredientes exatos que serão colocados em contato com a superfície da correia. Como muitas vezes isso diz respeito às receitas dos produtos alimentícios, há uma resistência por parte dos clientes em ceder essas informações.

FSSC 22000: mais um passo em direção à segurança sanitária total

A FSSC 22000 é um sistema internacionalmente reconhecido, baseado na ISO 22000:2006, voltada para a segurança de alimentos, com o objetivo de proteger as marcas e a saúde pública.

Esta certificação representa uma abordagem abrangente para a gestão de riscos voltada à segurança dos alimentos em toda a cadeia de fornecimento de alimentos, desenvolvida para os sistemas de gestão de segurança de alimentos para consumo humano e para animais. Além disso, a FSSC 22000 inclui transporte e armazenamento no local se for parte da operação.

Ao possuir o certificado FSSC 22000, uma empresa garante ao consumidor a confiabilidade no setor de segurança e qualidade de alimentos, pois o certificado também é respaldado pela GFSI – Global Food Safety Initiative (Iniciativa Global de Segurança Alimentar), entidade sem fins lucrativos que, em conjunto com especialistas, fornecedores, fabricantes e prestadores de serviços alimentares, colabora para o avanço da segurança alimentar.

Sua indústria está preocupada em garantir a segurança sanitária e a integridade do produto final, livre de contaminação e de outros riscos? Nossos especialistas estão prontos para identificar quais as correias transportadoras mais eficientes nos processos que exigem o máximo de cuidados nestes requisitos.

(Visited 15 times, 1 visits today)
Whatsapp - Vanderhulst