Setor de máquinas prevê crescer de 3,5 a 4% neste ano

Após anunciar crescimento de 0,7% no ano passado, a Abimaq – Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos – está prevendo que 2020 será um ano melhor, com um aumento de entre 3,5% e 4% no faturamento das indústrias do setor.

A aposta é do presidente da entidade, José Velloso, que aposta na melhoria da economia brasileira e que este ano será um período de fortes investimentos, especialmente no setor de construção civil e saneamento básico. “2020 é o ano para se investir em máquinas novas, visto que vivemos a era da indústria 4.0, da IoT (internet das coisas), ou seja, das novas tecnologias”, afirmou.



Segundo ele, essa necessidade é cada vez mais importante, em função da falta de investimentos nos últimos cinco anos, “que levou as indústrias a sofrerem com o sucateamento de suas máquinas, diminuindo a capacidade de produção”.

Os dados da Abimaq destacam que, em 2020, os investimentos no setor deverão atingir R$ 4,6 bilhões, ou seja, 22,9% sobre os valores realizados no ano passado, de cerca de R$ 3,7 bilhões. Segundo Thalita Oliveira, do departamento de economia da entidade, o segmento de médias empresas do setor será o grande indutor destes investimentos.

Em 2019, a indústria de máquinas e equipamentos registrou alta de 0,7% no faturamento em relação ao ano imediatamente anterior. Dados da Abimaq indicam que a receita líquida das indústrias de bens de capital ficou em R$ 82,4 bilhões.

A receita líquida no mercado interno teve alta de 7,1% no ano, com um volume de R$ 46,3 bilhões. Segundo José Velloso, parte dessa expansão foi de empresas que começaram a adquirir novos equipamentos para substituir os que ficaram ultrapassados.

Segundo a entidade, as importações de máquinas e equipamentos somaram US$ 17,49 bilhões, alta de 19,5% no comparativo com 2018. As exportações, influenciadas pela retração nas compras pela Argentina (28,1%), Paraguai (23,8%) e Chile (9%), ficaram em US$ 9 bilhões, que representa uma queda de 7,2%. Com isso, o saldo da balança comercial do setor foi deficitário em US$ 8,46 bilhões.

Em dezembro de 2019, o setor atuou com 71% de sua capacidade instalada, um recuo de 0,8% em relação ao mês imediatamente anterior. No ano, a média de utilização foi da ordem de 75%, considerado baixo pela Abimaq.

O nível de emprego teve alta de 3% em 2019 em comparação com o ano anterior, com a abertura de 1,5 mil vagas. As indústrias de máquinas e equipamentos empregavam, até o fim do ano, 302,3 mil pessoas, um aumento de 0,5% em relação a dezembro de 2018. Segundo a entidade, em maio de 2013, o setor chegou a ter 380 mil trabalhadores em atividade.

Assine nossa newsletter
(Visited 12 times, 1 visits today)
Whatsapp - Vanderhulst